Indicação de filme: O Quarto de Jack

junho 07, 2016


Oi pessoal, tudo bem com vocês ? Eu espero que sim. Hoje eu quero falar sobre um filme que eu assisti recentemente. O Quarto de Jack é uma adaptação do livro Room, escrito por Emma Donoghue, que eu ainda não tive a oportunidade de ler, infelizmente. Em geral eu evito assistir um filme antes de ler o livro (quando é uma adaptação), mas nesse caso específico eu não consegui. O filme foi aclamado pelos críticos, principalmente pela atuação de Brie Larson e Jacob Trembley, além disso o longa foi indicado ao Oscar e ganhou na categoria de Melhor Atriz. Bom, esse post não é bem uma resenha, na verdade eu gostaria de deixar aqui algumas considerações sobre essa historia que me deixou no chão (literalmente). Gostaria de avisar que esse texto contém muitos spoilers

O filme conta a história de Joy (Brie Larson) e seu filho Jack (Jacob Tremblay), ambos moram em um pequeno quarto construído nos fundos de uma casa por um sequestrador. Jack é uma criança de cinco anos, muito esperta e aparentemente "feliz", ele e a mãe passam o dia todo presos, limitados a ver o que acontece no mundo por uma televisão e uma pequena claraboia no teto do cômodo. O pequeno Jack nasceu no quarto e nunca saiu dele, ele acredita que as arvores, os pássaros e até mesmo as pessoas só existem dentro da TV e não faz a mínima ideia do que é o mundo real. 

Joy como toda boa mãe tenta de todas as formas manter o filho seguro e feliz, apesar de todas as limitações. No entanto, depois de tantos anos, ela está desgastada e inconformada com a vida e o modo com que o filho está crescendo. Os dois recebem a visita frequente do responsável pelo sequestro e abuso sexual de Joy, que no filme é identificado apenas como Velho Nick. Apesar de parecer doentio, não é raro encontrar relatos de vitimas que se apaixonam por seus carcereiros e que acreditam que eles são capazes de retribuir esse amor, porém, no filme é possível perceber que Joy odeia profundamente o homem que a sequestrou e que o que ela mais deseja é afastar ele de seu filho.
O filme consegue explorar cada detalhe possível dentro do contexto em que a história se passa, o que deixa tudo ainda mais emocionante. Impossível não chorar, impossível não sentir a dor que atriz consegue passar nas cenas que interpreta. Uma delas é quando após criar um plano de fuga maluco e desesperado para sair do quarto, ela tem a difícil missão de fazer Jack entender que o mundo não é apenas o que eles conseguem ver pela TV, que as pessoas são reais, que ela tem uma família e que ele não veio do céu, mas que veio ao mundo depois de um abuso sexual.  Talvez esse seja um dos pontos que mais me chamou atenção no filme, fiquei tentando me colocar no lugar dela como mãe tendo fazer aquilo, destruir tudo que o filho acreditava e ainda coloca-lo em uma situação de risco para conseguir se livrar do maldito estuprador. Por outro lado tentei me colocar no lugar do garoto, descobrir de uma hora para a outra que existe infinitas possibilidades atrás daquelas 4 paredes. Impossível conter as lágrimas nesse momento. 
O plano de Joy funciona e eles conseguem ser resgatados pela policia. O resgate é outro ponto que me chamou muita a atenção, quem assistiu provavelmente percebeu como faz diferença ter uma mulher cuidando desse tipo de caso. Quando a policia encontra Jack pedindo ajuda na rua, o policial quase não da atenção para o que o garoto diz, porém a policial (mulher) começa a fazer perguntas relevantes para o garoto que mesmo respondendo coisas aparentemente sem nexo, faz com que ela decifre o caso e peça reforços para fazer uma busca nas proximidades. A policial teve muita sensibilidade para entender o que estava acontecendo, se fosse pelo cara ele simplesmente levaria Jack para a delegacia e sabe-se lá qual seria o desfecho da história. 
De volta ao lar, Joy tem a difícil missão de retomar sua rotina, sua vida, seus amigos, entender o que aconteceu com a sua família enquanto ela estava sequestrada. Nessa questão o filme também ganha mais um ponto, ele reforça a importância de se ter uma família unida e bem estruturada em um momento desses. O filme explora a raiva que o pai de Joy tem do filho dela, pois ele sempre relaciona o garoto ao sequestrador e isso começa a revoltar a jovem. Apesar de entender a raiva do pai de Joy, eu só consigo pensar que ele deveria ter visto Jack como a única coisa boa que restou desses anos sombrios e terrivelmente dolorosos para a família dele, pois isso além de ajudar na recuperação dela, ainda uniria a família. Pena que isso não aconteceu. 
O tempo passa e Joy aos poucos começa a entender tudo o que está acontecendo e as mudanças que ela precisa fazer em sua vida. Jack por outro lado se sente cada dia mais animado com a vida fora do quarto, tudo é novidade para o garoto que narra suas emoções e expectativas com uma voz tão doce e de um jeito tão sutil, que eu senti vontade de abraçar a tela do computador. Outro fato que me chamou bastante atenção foi as ultimas cenas onde Jack pede para que a mãe volte com ele até o cativeiro para fazer uma visita. Mesmo contrariada, Joy vai com o filho até o local para definitivamente enterrar tudo o que aconteceu naquele maldito lugar. A cena também é emocionante. 

E assim acaba o filme. Acredito que vale muito a pena assistir e ler o livro também. Fiquei extremamente tocada pela história, não porque ela é triste, mas porque ela é real, todos os dias em algum lugar do mundo uma mulher é sequestrada, feita de refém, estuprada e na pior das hipóteses passa por essas três coisas. Felizmente no filme a jovem voltou pra casa, o maldito estuprador e sequestrador foi preso, mas nem sempre é assim. Acho que a possibilidade disso estar tão próximo de mim, de nós, de qualquer mulher foi o que mais me emocionou. Acho que nada que eu escreva vai conseguir expressar, mas deixo aqui essa indicação. Assista e reflita sobre o que podemos fazer para que isso não aconteça com nenhuma de nós ou com quem amamos. Beijo e bom filme. 

Compartilhe esse post:

  1. Respostas
    1. Que bom que gostou Vanda, assista que vale a pena. Beijo

      Excluir
  2. Adorei esse post! Eu só conhecia o filme pelo nome mas não sabia direito do que se tratava, mas agora tô louca pra ver! Vou assistir assim que puder ^^
    Um beijão,
    Gabi do likegabs.blogspot.com ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode assistir que você não vai se arrepender Gabi, é uma história muito linda,não é cansativa e chama bastante atenção, além do assunto ser bem atual. Beijo

      Excluir
  3. Oi, oi Mari!
    Já tinha ouvido falar do filme mas pretendia ler o livro antes. Agora você me deixou numa dúvida bem cruel. Adorei a resenha!
    Abraços! ;)
    Borboletas de Papel | Fanpage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Aline, eu acabei vendo o filme porque realmente não ia conseguir ler o livro, tenho pelo menos uns 10 pra ler, mas pelo que eu pesquisei e vi em resenhas e criticas, o filme não distorceu muito a história do livro não, tá bem parecida, por isso arrisquei, mas eu vou comprar o livro ainda. Beijo.

      Excluir
  4. Eu não sabia muito sobre o filme, e ainda pensava que era de terror, mas gostei muuuito de ter lido essa indicação/resenha justamente porque agora sei do que se trata e fiquei bastante interessada em ver o filme. Justamente por ser um assunto diferente dos filmes clichês que ando vendo demais, às vezes é bom dar uma mudada né? Não sabia que tinha livro, mas agora que sei fico em duvida se leio o livro antes ou vejo logo o filme, só sei que to com muita vontade de ver o filme. Já adicionei na minha lista.

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então Thami, foi até bom você lembrar desse detalhe. Muita gente não assitiu ou perdeu o interesse por achar que era de terror, por causa do nome e tal. Mas não é não, bom, um pouco porque se pararmos pra analisar o que essa mulher passou foi horrível demais. O filme acho que pode ser classificado como drama, mas é muuuito interessante. Vale a pena. Beijo.

      Excluir
  5. Olá,
    Não sabia que tinha o filme e parece ser uma história cheia de lições.
    Dica anotada.
    Bjs
    http://diarioelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Ele é de 2015 e ganhou o oscar em 2016, mas filme de oscar geralmente não chama tanta a atenção do pessoal não, tem filme que ganha e a gente nunca ouviu falar né? rsrsrs, mas esse vale a pena.
      beijinho

      Excluir
  6. Parece ser um filme incrível, e já anotei o nome pra assistir depois *U*

    Beijos,
    www.thalitamaia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ele é mesmo Thalita, assista que você vai gostar. Beijo.

      Excluir
  7. Oi, Mari! Tudo bem? Ah, eu amo O Quarto de Jack! O acho muito lindo e emocionante. Adorei o post! <3 Ah, só uma dica: No próximo post, dê uma maneirada nos spoilers! ;)

    Abraço

    https://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tony, obrigado por vir até aqui. Pois é, eu preciso aprender a não dar spoiler, mas é muito dificil pra mim, ainda mais em filme, hahaha, conto metade,por isso nem considero que seja uma resenha, foi mais o que eu achei do filme, mas mesmo assim eu dou spoiler demais. Sorry. Beijo.

      Excluir
  8. Lembro dele na cerimônia do Oscar, mas assim como a Gloria Pires: não vi ainda! kkkkk
    Mas falando sério, parece ser um filme fabuloso, com certeza pretendo ver em breve!
    Xerim :)
    www.trilouca.com
    Canal no YT: http://www.youtube.com/c/blogtrilouca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKKK Ai Demara to rindo aqui. Eu também tô fazendo a Gloria Pires pra um monte de filme, preciso assistir. rsrs. Beijinho.

      Excluir